Arquivo da tag: vida

Uma desafio realmente desafiante

Padrão

Então,como eu já mencionei aqui mais de uma vez,amo livros e estava zanzando por blogs de leitura que eu costumo acompanhar quando me deparo com uma resenha desse desafio.Eu já tinha ouvido falar de mais gente fazendo-o,mas na época eu não tinha blog e não via sentido em tentar.Agora,juntando o blog com os fatos de:eu perceber que havia lido livros dentro do desafio nos meses passados,eu ter alguns livros que arranjei nas férias me esperando e meu pouco tempo pra ler(procurando por um estímulo!),pensei,porque não começar?Estou ridiculamente atrasada,eu sei,mas vou TENTAR resenhar os atrasados também o mais rápido possível e não sei linkar a imagem ali do lado,(não sei nem como faz pra diminuir o número de posts por página)mas vou tentar!Lá vai o desafio!

  1. Janeiro: Ler um livro de um autor EUROPEU! (Eu li Um Dia,do David Nichols)
  2. Fevereiro: Ler um livro que tenha um personagem com a inicial do nome igual a do seu nome.(Eu li O Pacto,da Gemma Malley,cujo qual um dos protagonistas se chama Peter)
  3. Março: Ler um livro com a capa verde, vermelha ou azul (Comecei ontem a ler Em Chamas, continuação de Jogos Vorazes da Suzanne Collins e estou me controlando para não ler o dia todo)
  4. Abril:  Ler um livro que tenha cenas que se passem na Africa ou na Ásia. Não precisa ser o livro todo, mas pelo menos algumas cenas! (Eu tenho O Caçador de Pipas,do Khaled Hosseini me esperando a alguns anos -!-, o livro se passa no Afeganistão e esse vai ser um bom momento,se não me deixar tão deprimida quanto quando eu li A Cidade do Sol,do mesmo autor.Jesus,que livro triste.)
  5. Maio: Ler um livro que seja o último de alguma série. (Acho que um mês é o suficiente para me deixar curiosa com a sequencia de Jogos Vorazes,então A Esperança vai ser perfeita)
  6. Junho: Ler um livro que Virou Filme.(Água para elefantes,eu comprei por causa de uma promoção imperdível,terei que lê-lo em algum momento desse ano)
  7. Julho: Ler um livro com mais de 500 páginas.(Quando acabei Eragon,do Christopher Paolini,fiquei obcecada com a história e os enigmas lancados,mas ainda não tinha Eldest para dar vazão a minha curiosidade.Agora eu tenho,então vai ser esse mesmo)
  8. Agosto: Ler um livro lançado no ano do seu nascimento.(Esse foi foda de achar.Gracas a Deus,Pedro Bandeira,um dos meus escritores nacionais favoritos, lançou Pantano de Sangue em 1994 e eu nem estava louca por uma desculpa para arrumar esse livro,então)
  9. Setembro: Ler um livro de um autor que já é falecido.(Aff,não sei o que ler.Escritores falecidos tem aos montes,mas nenhum que eu me interesse enormemente por algum livro em especial.Bem,tem muito tempo,até lá eu decido)
  10. Outubro: Ler um livro de um autor do seu estado.(Conseguiu superar o do ano do nascimento em dificuldade de achar.Eu sei,existem ótimos escritores cariocas,mas eu estava pedindo uma desculpa pra ler Pedro Bandeira ou To com vontade de uma coisa que eu não sei o que é,da Tati Bernardi,mas eles são paulistas.Então eu estou aceitando sugestões)
  11. Novembro: Ler um livro bem fininho. Com menos de 200 páginas.(Tati Bernardi está me tentando profundamente,mas acho que vai ser O Segredo,que eu nunca acabei de ler… )
  12. Dezembro: Ler um livro que você tenha ganho de presente.(Espero fervorosamente ganhar algo mais legal até lá,porque agora eu tenho A História,que é a Bíblia contada de um jeito diferente -mas que eu continuei sem gostar- e O Morro dos Ventos Uivantes,que dispensa apresentações e eu esperneei pra ganhá-lo na época,mas acabei achando um saco.Help!)

Anúncios

Stress,muito prazer.

Padrão

Estudar o dia inteiro todos os dias está acabando comigo.É o programa pra quem resolve passar para algo difícil como medicina,mas é só tão cansativo.Eu sei que eu vou sobreviver e vou me acostumar com essa situacão(por favor,aconteca rápido)mas enquanto isso não acontece,eu sofro.Eu chego todos os dias em casa e minha vontade predominante é me jogar na cama e fazer nada.Mas não,eu não posso fazer isso,a não ser que queira ficar com 60(juro,não é hipérbole)exercícios e um capítulo super do meu interesse de história do Brasil atrasado.E se eu relaxo por uma hora,tenho que dormir mais tarde para fazer tudo.

Então,quando eu acabo,caio na cama feliz e durmo calmamente?Doce ilusão.Tenho a impressão que não importa quanto sono eu sinta,sempre é difícil dormir,simplesmente porque me sinto incapaz de diminuir o incessante fluxo de pensamentos por tempo suficiente para conseguir pegar no sono.E não importa o quanto eu durma,acordo cansada,com olheiras e com sono do mesmo jeito.Além do que eu,alguém cuja memória nunca foi o maior forte,me sinto ainda mais esquecida que o normal(sim,sempre pode piorar).Já escrevi mais de um post com assuntos que julgava interessantes na minha cabeça e quando chego na frente no notebook não consigo lembrar de porra alguma,apenas da apostila de inglês que eu ainda não fiz.

Eu nunca fui uma pessoa neurótica sabe?Do tipo que está sempre super preocupada com o que tem pra fazer e passa o dia reclamando que não aguenta mais(aliás,sempre achei quem fazia isso um porre).Com uma eterna dificuldade de se concentrar em algo(sério,eu,bookaholic conhecida e assumida,estou com um livro parado no mesmo ponto a mais de semana,porque não consigo parar e me concentrar nele).Mas sinto que estou me transformando nessa pessoa,porque o blog só tem 6 posts e esse é o segundo reclamando da vida.E,de verdade,eu não quero ser essa pessoa,porque eu não quero olhar pra quem eu era em 2012 daqui a uns anos e sentir vergonha de mim.

Então,eu prefiro não escrever nada do que postar alguma coisa sem alma ou um texto que foi tão difícil de escrever quanto extrair um dente e que eu sei que poderia fazer muito melhor se estivesse em uma época entediada relaxada da minha vida,sem as cobranças.E,tenho que admitir a contra gosto,estou estressada.Achava que isso era coisa de gente fresca,falta de resistência da pessoa e de preparação para enfrentar os problemas da vida,mas eu estava errada e admito.O stress existe e é compreensível.Ele começa como uma pedrinha minúscula no seu sapato,perfeitamente suportável e vai crescendo com os dias até se transformar num pedregulho mutante que te impede de andar.

Acho que agora que eu fiz a grande confissão é melhor eu ir lá fazer a apostila de inglês.Sim,é domingo,mas para vestibulando de medicina não é dia de folga total.E preciso também pesquisar métodos rápidos de relaxamento.Tá,eu vou agora antes que a situação fique ainda mais crítica.

 

Esse não é um post sobre Whitney Houston

Padrão

Lá estava eu,lendo algum livro cujo nome eu não me lembro,quando um dos personagens morre e o narrador passa umas duas páginas falando sobre todos os “grandes feitos” e todas as qualidades do morto.Normal,se não fosse o fato de que o tal morto fosse um dos vilões do livro e tivesse passado todo o enredo tentando acabar com a vida de alguém.What?É aí  que você comeca a lembrar de todas aquelas celebridades que morreram e foram quase santificadas no pós-morte, afinal, ninguém mais lembrava ou falava de todas as merdas que elas fizeram.

Como funciona e qual o sentido disso?Certo que “quando morremos somos todos iguais”,mas não somos todos iguais em vida também?Temos todos a mesma estrutura básica e os direitos humanos são os mesmos pra qualquer um.A morte de alguém não apaga os danos que a pessoa fez em vida.Se é uma questão de respeito pelo morto,do gênerob de já que não está mais aqui e não pode se defender,não vamos acusá-lo,porque simplesmente não adotar uma atitude mais justa e não julgar os atos do morto?

Ainda sobre o respeito a memória dos que já se foram,acredito fervorosamente que cada um tem aquilo que merece(ás vezes de jeitos além da compreensão geral,é verdade).É,bem aquele papo de fazer por merecer e blábláblá.Acredito também que isso vale pra tudo,inclusive para o talvez respeito de uma memória póstuma.Sim,não vejo razão em fingir luto por alguém mesquinho,egoísta,negligente ao próximo e que fez questão de passar cada segundo de sua vida se dedicando em ressaltar o quanto queria tornar sua existência o mais insignificante para a humanidade que fosse possível.E não me importa se esse alguém morreu dormindo ou após ter os membros arrancados e queimado ainda consciente(não quero nem pensar nessa morte).Uma morte dolorosa não atenua anos de uma vida cretina.

E pra que esse papo melancólico  e expor minha opinião convencida logo no primeiro post?Pra não deixar ninguém esperando apenas posts neutros e superficiais que depois da segunda página de mais do mesmo te fazem fechar a janela por ler algo tão sem sal(eu sei que você pensa isso no fundo,eu também faço).Não estou dizendo que não vou fazer posts sobre unhas ou tv,mas sim que não tenho medo de expor minhas opiniões revoltadas com a vida ou de falar sobre um assunto que ninguém comenta porque “não fica bem”(aliás,essa citação aí ou derivadas eu finjo que não ouvi pois me tiram seriamente de mim).

Hehehe,eu não ia resistir a uma imagem engraçadinha.E a Whitney,que morreu a pouco tempo,não foi a inspiração do manifesto aí de cima pois,admito,eu não tenho noção do que os meios de comunicação estão falando da vida dela e não  sei picas da biografia da mesma pra poder julgar.